Lentes Mentes.

Às vezes os olhos so vêem aquilo que o coração quer e não necessariamente o que é de facto.

signature

Anúncios

Tu tens o poder.

Todos nós temos um poder.
E tu, sabes qual é o teu?
No E-marketing tens um. Carrega no Play ▻ e descobre qual é.
 
Partilha e ajuda a Joana a ter o maior nº de visualizações, assim ela terá o poder de ter melhor nota!
 
“O poder das pessoas no e-marketing” video realizado no âmbito da unidade curricular E-Marketing: Novos Media leccionada pelo Professor Filipe Carrera na Pós-Graduação em Gestão de Marketing, Comunicação e Multimédia do ISEG – IDEFE
 
Realizado e produzido por: Joana Graça Feliciano
Janeiro 2016

Heartbreaker – Uma viagem ao passado no presente

Treme o teu chão quando nele pisam os pés do passado.
Ele caminha na tua direcção, cruzam o enlaço daquilo que não acabou, o que já deveria estar por terminado.

Um passado de 1m 80, com sorriso malandro e toque de quem está mas não fica.

Ele entra, com a tua licença ou sem ela. Ele deixa-te sentir o que querias esquecer mas não consegues.
Ele vem para te deixar o ciúme do que já não é teu, mas de outro alguém.

Esse passado que pesa. Que se arrasta… Que deveria ser futuro, mas que o presente deixa como intermitente.

Ele entra. Ele quer. Ele deixa de o querer. Ele vai. Retorna. Mas deixa-te ter apenas o que ele acha que mereces. Nada mais, nada menos. Apenas um pequeno gosto do que era.

Uma viagem do passado. Um presente momentâneo. Um futuro sem ele.
Heartbreaker. Over, and over.

É pena. Podiam ser tanto.

 

 

A ouvir:

A importância de não se enganar a si mesmo

No amor, seja ele sobre outra pessoa ou sobre si mesmo, ninguém 
se deve enganar.

Existem dois pontos cruciais e que muitas vezes são descurados-
quer pela pessoa que é alvo do amor, como de quem o amor parte.

Essas duas premissas são:
- Não confundir carência com intimidade e/ou com real e contínuo 
interesse... e muito menos com amor;
-Tempo e espaço entre relações ou desamores é essencial. Não se 
deve cair no erro de tentar esquecer um amor com outro. Não é 
justo para ambas as partes.

Para os que questionam a minha suposta sabedoria sobre este 
assunto, a resposta é sim. Sim, aprendi pela percepção que retiro 
de casos de terceiros e também na primeira pessoa ao passar pelos 
dois lados possíveis desta barricada. E como tal digo outro sim 
para a pergunta que podem fazer a seguir - sim, as premissas 
funcionam.

Sobretudo, não enganem os outros e vocês próprios. Não apostem 
tudo se não têm para dar. Vão criar expectativas que acabarão 
por terra caídas.

signature