Conclusões. (III)

Já não há Homens de palavra.

Já não os há, isto se alguma vez os houve! Entenda-se aqui ‘Homens’ tanto mulheres como homens em si, tanto uns quanto os outros fazem falta e muito raramente se encontram nestes dias que correm… Que é feito daquele que promete, jura, dá a sua palavra como compromisso solene? Onde estão os que «prometem e cumprem» sem falsidades pelo meio? Bem podem procurar.
A palavra como pacto de honra há muito que desapareceu. Já ninguém confia em ninguém, é esta a verdade. Mas também, como confiar se nunca nos dão provas para tal? A desconfiança e o receio preenchem a nossa vida.
Já ninguém está disposto para arriscar, porque ninguém tem certezas.  Já ninguém dá a sua palavra como garantia. Vivemos no temor de fracassar nas nossas apostas pessoais, e cair no erro de dar o  “dito por não dito”.  Ninguém quer pôr o seu «neck on the line» ao  prever resultados que podem acabar por se demonstrar fracassados. Sim, de tempos a tempos, ainda aparece um audaz ou outro que nos assegura a sua palavra, mas poucos são aqueles que a mantêm. Quando as coisas se tornam complicadas até o mais confiável dos Homens, salta barreiras na busca de uma fuga. Não há nada pior que prometer o impossível, ou então prometer o possível e mesmo assim falhar. Já ninguém dá nada a ninguém, e muito menos a sua palavra.

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s